Exercícios para quem tem diabetes

Entenda como a prática de atividades físicas pode ir além do controle glicêmico
por Maria Cecília Arra23/04/2020

Sem tratamento, a diabetes pode levar a complicações no coração, nas artérias, nos olhos, rins e nervos. A doença torna-se ainda mais perigosa por não ter sintomas claros, dessa forma os exames de rotina são imprescindíveis para identificar possíveis fatores de risco e buscar o diagnóstico. Entre medicação e dieta, o tratamento também envolve sair do sofá. “A atividade física é, junto com a alimentação saudável, um dos pilares do tratamento da diabetes”, diz o endocrinologista Mauro Scharf, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), de Curitiba (PR). Mas quais seriam os melhores exercícios para quem tem diabetes? Conversamos com especialistas para responder essa pergunta.

Primeiro, o que é a diabetes?

Diabetes mellitus é uma doença do metabolismo caracterizada pelo excesso de açúcar (glicose) no sangue e na urina. Isso ocorre quando o pâncreas deixa de produzir – ou reduz a produção – de insulina por um mecanismo autoimune (diabetes tipo 1) ou quando a insulina não é capaz de agir de maneira adequada, como se o organismo tivesse uma resistência à sua ação (diabetes tipo 2).

Quer ler mais conteúdos como este?

Como evitar o sedentarismo
7 dicas pra sair do sofá e começar a treinar
Como treinar em casa e ter resultados

Exercícios físicos para quem tem diabetes é indicado?

Sim. Pessoas com diabetes de ambos os tipos podem e têm indicação para se exercitar. Na hora de escolher a modalidade, vale tudo: caminhada, corrida, musculação, yoga, pilates, dança e por aí vai. Segundo o especialista, os melhores exercícios para quem tem diabetes são aqueles que dão satisfação e prazer ao paciente. E a razão é simples: “Fazer o que gosta facilita a adesão à atividade. Não há restrição, desde que se respeite a boa condição médica, a utilização correta dos medicamentos prescritos e os cuidados para evitar a hipoglicemia”, explica Mauro Scharf.

Sem contar que a prática de atividades físicas por diabéticos proporciona benefícios além do controle glicêmico, como a manutenção do peso, a prevenção da hipertensão arterial e do colesterol e a diminuição do risco cardiovascular e da insônia. Um quadro muito bem-vindo para pacientes mais vulneráveis a esses problemas, os diabéticos do tipo 2.

A tal da hipoglicemia

Para quem tem diabetes e quer praticar exercícios, antes da matrícula na academia, vem a visita ao médico. Procurar por um profissional de educação física especializado também irá garantir um treino sem sustos – a oscilação dos níveis de açúcar no sangue durante o treino pode provocar até desmaios. Dar atenção à hipoglicemia (baixa de glicose) ou a hiperglicemia (alta de glicose) é a principal precaução a ser tomada, conta a assessora de imprensa Ana Rios, 31 anos, do Rio de Janeiro. Diagnosticada com diabetes tipo 1, Ana está acostumada a monitorar a glicemia antes, durante e após a prática de exercícios físicos. “Aviso o professor que tenho diabetes todas as vezes que inicio uma nova atividade. Ele precisa estar preparado para me socorrer, caso precise”.

Dicas de exercícios para quem tem diabetes

De acordo com o profissional de educação física da Smart Fit Luan Rodrigues, de São Paulo, o American College of Sports Medicine – associação norte-americana de medicina esportiva, ciência do exercício e profissionais de saúde e fitness – recomenda treinos aeróbios e resistidos para pessoas com diabetes. “Seguindo essa orientação, se o aluno não tiver nenhum sintoma na hora da prática, não há problemas”, avalia Luan.

Treino aeróbio e treino resistido para quem tem diabetes

Treino aeróbio. Movimento rítmico, repetitivo e continuado de um mesmo grande grupo muscular por, pelo menos, 10 minutos.

– Todos os dias, podendo ser:
– 150 minutos de atividades moderadas por semana, como hidroginástica e dança;
– 75 minutos de atividades intensas por semana, como corrida e natação rápida.

Treino resistido. Exercício de curta duração envolvendo uso de peso, aparelhos de musculação ou, ainda, bandas elásticas com o objetivo de aumentar a força e a resistência muscular.

– 3 vezes por semana.
– 2 a 3 series de cada exercício com até 10 repetições.

O que uma pessoa com diabetes deve comer antes e depois de treinar?

A alimentação adequada pode variar de acordo com a medicação. Por isso, consumir carboidratos antes e, às vezes, durante a atividade física pode ser necessário. Em exercícios aeróbios, como correr e pedalar, ou no caso de atividades mais longas ou intensas, a queda do açúcar pode acontecer até muitas horas depois da prática. “O consumo de proteínas após os treinos pode ajudar a prevenir a hipoglicemia tardia”, orienta o endocrinologista Mauro Scharf.