Café faz mal? Saiba o efeito do café no organismo

Pesquisas comprovam os benefícios da bebida, mas algumas pessoas precisam ter atenção
por Thieny Molthini16/01/2020

Café faz mal? O dia acabou de começar e os e-mails já começam a aparecer no celular. Uma demanda atrás da outra: festa do amigo do filho, mercado, academia, reunião com o chefe. Mas, antes, um café, por favor! Quem ama café está no grupo dos brasileiros que consome 839 xícaras por ano, segundo dados da Euromonitor International. E, não raro, novos bons motivos para consumir a bebida aparecem.

Afinal, café faz mal?

No final de 2019, pesquisadores da Queen’s University Belfast, do Reino Unido,  comprovaram que pessoas que bebem café têm 50% menos chances de desenvolver carcinoma hepatocelular – um dos tipos mais comuns de câncer de fígado. Os resultados foram publicados após sete anos e meio de análise de quase 500 mil pessoas. “Isso ocorre porque o café contém antioxidantes e cafeína, que podem proteger contra esse tipo de câncer”, explicou o principal autor do estudo Kim Tu Tran ao Daily Mail.

Em primeiro lugar, esses antioxidantes têm inúmeros benefícios para o corpo, melhorando tanto a saúde física quanto mental de quem os consome, garantindo mais energia e disposição, além de melhorias da parte cognitiva. “Os antioxidantes também previnem o envelhecimento e aceleram o metabolismo, facilitando a queima calórica”, aponta Edvânia Soares, nutricionista pós-graduada em nutrição clínica, esportiva e vigilância sanitária, de São Paulo. A cafeína, por sua vez, também é responsável pela sensação de despertar quando o dia parece passar arrastado. Segundo o neurologista do Hospital das Clínicas de São Paulo Fábio Porto, a cafeína bloqueia uma substância chamada adenosina, que é responsável pela sensação de cansaço e essencial para o sono. “Além disso, a cafeína tem efeito de vasoconstrição, melhorando o fluxo de sangue no cérebro e diminuindo as dores. Por isso, vários remédios para dor de cabeça contêm cafeína”, acrescenta o nutricionista Filippo Pedrinola, de São Paulo.

Concentração de café e riscos para o organismo

Teoricamente, quanto mais café, maior o seu efeito. No entanto, a sensibilidade de cada um à bebida é diferente. Por isso, cada pessoa precisa estar atenta às condições pré-existentes do seu corpo (como gastrite e hipertensão) e sua resposta ao café. “O café filtrado tem uma quantidade menor de cafeína. Mas os expressos e as cápsulas têm mais cafeína porque o grão está prensado. Uma cápsula tem, em média, 120 a 200 mg de cafeína”, explica Edvânia. Para quem tem sintomas de ansiedade e dificuldade para dormir bem, a indicação da nutricionista é evitar o consumo do café depois das 16h. “A cafeína e o ácido clorogênico presentes no café são excitatórios do sistema nervoso central, podendo deixar as pessoas mais nervosas, ansiosas e com insônia”, acrescenta a nutricionista.

Efeitos do café no organismo

Por fim, para entender melhor como o café atua no organismo, assista ao vídeo que preparamos para você: