Você sabe diferenciar o tipo de fome que sente?

Diferenciar o que está sentindo pode ajudar a atingir o seu objetivo e a controlar o peso
por Redação16/04/2020

Durante a quarentena podemos sentir mais fome por estarmos ansiosos, preocupados ou apenas entediados. Existem diversos tipos de fome e aprender a diferenciar e identificar o que está sentindo, o porquê dessa sensação e o que fazer para controlar esse quadro pode nos ajudar a atingir os nosso objetivos e controlar o peso.

Tipos de fome

A fome é bem mais complexa do que muita gente pensa. Existem nove tipos diferente. São nove “causadores de fome” que temos contato várias vezes ao dia, mas, para facilitar, vamos focar em dois tipos: a fome física e a fome emocional.

Fome física e fome emocional

A fome física é aquela que sentimos o estômago roncando. Essa fome aumenta gradualmente, normalmente aparece algum tempo após a última refeição. Quando sentimos essa fome não buscamos nenhum alimento específico e, assim que nos alimentamos, nos sentimos saciados.

A fome emocional – ou psicológica – é a que temos ausência de sinais físicos (nada de estômago roncando), sentimos desejo específico de algum alimento (aquela fome de chocolate, por exemplo), normalmente não surge muito tempo depois da última refeição e temos necessidade de volume e urgência. Geralmente, essa fome está ligada a sentimentos e aos nossos sentidos, por exemplo, vontade de um bolo que a avó fazia (fome afetiva), você sente o cheiro do pão de queijo que acabou de sair do forno e fica com fome (fome de olfato), aquela vontade de um sabor específico, como doce ou salgado (fome da boca).

Como administrar a fome?

Para a fome física, o ideal é realizar refeições completas, com a presença de alimentos ricos em fibras (como verduras, legumes, frutas e versões integrais), que vão garantir a sensação de saciedade por mais tempo.

No caso da fome emocional, que surge naquele momento de tédio ou maior estresse, a dica é procurar por atividades que te dão prazer. Tente um treino on-line, ouça músicas que goste, leia um livro, medite, entenda seus sentimentos. Mas não precisa se cobrar demais, porque consumir de vez em quando aquilo que está com vontade, como o bolo da avó, não faz mal, é tudo questão de equilíbrio nas escolhas.